Senhor escuridão

.

0 - ap - 0 - o ano

.

Rio de Janeiro: Bertrand Brasil / Grupo Editorial Record, 2006

.

Com certeza leitores vão estranhar os textos de Scott, achando que aquilo não é poesia – em parte o preconceito decorre da idéia romântica do poema, bobagem que continua a persistir. Deve-se lembrar que muitos poemas considerados como ‘anti’, quando apareceram, se tornaram canônicos, como foi o caso de Drummond e aquela pedra.”
REVISTA CULT

Uma poesia que surpreende o leitor pelas imagens aparentemente sem consonância. Mas tal estranhamento é estimado e perseguido pelo poeta.
JORNAL CORREIO BRAZILIENSE

Os poemas de Scott estão sempre no limite da inteligibilidade, com imagens que nascem menos das correspondências entre som e sentido que do atrito.
JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO

Sem quaisquer obrigações de prestar contas a quem quer que seja, Scott realiza um antilirismo. Diferente de João Cabral de Melo Neto, que a todo tempo dialetizava com a tradição com a qual rompia, o poeta gaúcho assimilando a herança estética pós-moderna não adota o mesmo discurso, embora caminhe na mesma perspectiva de ruptura e renovação. O poeta canta seus temas sem sentido e perversos, abrindo mão de recursos usuais, além de realizar construções que em muito se assemelham a colagens e instalações de artes plásticas. A sua gramática poética flerta de perto com o videoarte.
JORNAL DA PARAÍBA

Leitores de poesia são a minoria da minoria. O extremo estreito do funil que representa a parte da população interessada em literatura de imaginação. Como raio que cai duas vezes no mesmo lugar, o feito de Paulo Scott (além de escrever bem como poucos) foi publicar, somente neste ano, dois livros de poesia por duas grandes editoras brasileiras.
JORNAL GAZETA DO POVO DE CURITIBA

Quem lê os poemas do livro, compostos em sua maioria com concisão e até de forma seca, se depara com uma visão pouco abonadora do homem e de seus atos, de seus segredos e podridões, de suas angústias e fantasias, de suas práticas e costumes. As relações entre as pessoas ganham um contorno triste e nada elogiável, numa constante negociação em que a mais-valia dita o comportamento, em que o egoísmo está em quase tudo, em que os valores éticos são simplesmente jogados na latrina, sem remorsos ou punições. Um dos poemas mais emblemáticos disso é Massa Instantânea. Com apenas três versos, o autor aborda, de forma bastante direta, a questão da injustiça social em uma de suas facetas mais cruéis. Mas essa abordagem não é panfletária, gratuita, não traz em seu cerne o afobamento de passar uma mensagem política e socialmente engajada. Ela é quase de um cronista, de um observador mais atento, que não se conforma com uma visão superficial, rasa. Ele vai mais fundo, tocando até certo ponto no lírico, em que a crítica acaba por funcionar de uma maneira mais eficaz. Muitos dos poemas são totalmente imagéticos. Curtos, vários deles são apenas uma imagem, caso de Anabolismo. Não é exatamente uma mensagem que o autor passa nesses momentos e sim um cutucão que ele dá no leitor, chamando-o à interpretação. Facilidade não é o forte de Paulo Scott. Em certa medida, o autor chega a ser hermético, com referências que, a despeito de poderem ser tomadas num plano universal, não disfarçam sua origem pessoal. Isso, porém, não é o maior obstáculo para o entendimento mais rápido dos versos. Essa característica é intrínseca, está nos genes da póetica de Scott e não apenas em sua temática. Scott fala de assuntos muito tristes em Senhor Escuridão. Um deles é a pedofilia e o abuso sexual dentro de casa. Isso está mais ou menos explícito em Odor de Filho Branco, em que uma cena familiar cotidiana é o prenúncio de uma relação incestuosa e covarde. Em Campo de Força que te Observa, a prostituição das ruas e seus cenários ganham tradução nos versos, descrição em que os detalhes fornecem ao imaginário o retrato do ambiente em que a dignidade humana perde muito de seu sentido.
JORNAL O POPULAR DE GOIÂNIA

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: